Sábado Santo - O Dia do Grande Silêncio

“Nosso Rei adormeceu e o inferno estremeceu pelo esplendor da sua divindade. Cristo inunda de sua luz  as profundezas de nossas trevas.” (Tropário de Descida aos infernos, Ofício de Trevas do Sábado Santo)

Sacrário - Casa Mãe Comunidade SdV

Sacrário - Casa Mãe Comunidade SdV

O Sábado Santo apresenta uma característica particular e única: o silêncio contemplativo junto do sepulcro de Cristo. Este é o dia do “grande silêncio” porque Deus adormeceu segundo a carne e despertou os que dormiam há séculos.  Outra característica é a do vazio através do altar descoberto, o sacrário vazio, ícones e imagens escondidos, nenhuma vela acesa, não há sino… De forma pedagógica, a experiência do vazio exterior e interior faz-nos compreender que é a pessoa de Jesus que dá vida e preenche tudo.

Um outro elemento fundamental deste dia é a descida de Jesus à mansão dos mortos. Cristo morto, na sua pessoa divina, desceu à morada dos mortos e abriu aos justos, que O tinham precedido na morte, as portas do Céu, segundo aquilo que se disse ao bom ladrão: “Hoje mesmo estarás comigo no Paraíso!” (Lc 23, 43). A descida de Cristo ao Reino dos Mortos exprime também as dimensões da sua vitória, é o cumprimento até à plenitude, do anúncio da salvação. A obra redentora se estende a todos os homens de todos os tempos e de todos os lugares, porque todos aqueles que se salvaram se tornaram participantes da redenção.

Essa descida foi o ponto de partida para a Ressurreição e, poderíamos dizer, até a glória da Ascensão: “Aquele que desceu é também Aquele que subiu”. No Sábado Santo, a Igreja permanece junto do sepulcro em que descansa o Esposo, mas ela já encontra-se em paz. O repouso de Cristo é o repouso do sábado que prepara para a obra da recriação. Cristo nos precede. Por isso, a Igreja acredita na Ressurreição que se segue ao sono da morte. A vitória de Cristo é a vitória dos cristãos.

Tal como a Sexta-feira Santa, o Sábado Santo é um dia de “deserto”, de silêncio e de despojamento. É dito alitúrgico, isto é, sem celebração da Eucaristia ou de outros sacramentos: neste dia a Igreja abstém-se absolutamente do sacrifício da Missa.

Por: Formação Sementes do Verbo