Sexta-feira Santa - Sermão de Santo Efrém

Dos Sermões de Santo Efrém - O Sírio, Diácono

Hoje avança-se a Cruz, a criação exulta; a Cruz, caminho dos transviados, esperança dos cristãos, pregação dos Apóstolos, segurança do Universo, fundamento do Igreja, fonte para os que tem sede. Hoje avança-se a Cruz e os infernos são abalados. As mãos de Jesus são presas por pregos, e os laços que atavam os mortos são desfeitos. Hoje o sangue que corre da Cruz chega até aos túmulos e faz germinar a vida nos infernos.

Cruz

Mas voltemos a Paixão. Durante o julgamento, a Sabedoria cala-se e a Palavra não diz nada. Seus inimigos desprezam-no e colocam-no na Cruz. Imediatamente, o Universo é abalado, o dia desaparece e o céu escurece. Cobrem-no de uma veste de desdém, e crucificam-no entre dois malfeitores. Aquele a quem ontem Ele deu Seu Corpo em alimento veem-no morrer de longe. Pedro, o primeiro dos Apóstolos, fugiu em primeiro. André também tomou a fuga; e João, que repousou sobre o seu lado, não impediu um soldado de transpassar Seu lado pelo lança. O grupo dos doze fugiu. Não disseram uma palavra por Ele. Eles por quem Ele dá a Sua Vida. Lázaro que Ele trouxe à vida não está presente; o cego a quem ele abriu os olhos à Luz, não chorou; o coxo que, graças a Ele, podia caminhar, não correu para junto dele. Somente um bandido crucificado ao Seu lado, confessa-O e chama-O seu Rei, escandalizando os judeus. O ladrão, flor precoce da árvore da Cruz, primeiro fruto da madeira do Gólgota.

Doravante pela Cruz, dissipam-se as sombras e levanta-se a verdade, como nos diz o Apóstolo: “O antigo mundo passou, são novas todas as coisas”. A morte é despojada, o inferno liberta os seus cativos, o homem é livre, o Senhor reina, a criação está em alegria. A Cruz triunfa e todas as nações, tribos, línguas e povos vêm para adorá-Lo. Encontramos nela a nova alegria com o bem-aventurado Paulo que exclama: "Longe de mim o pensamento de encontrar a minha glória noutra coisa que não na Cruz de Jesus Cristo Nosso Senhor". A Cruz traz a luz ao Universo inteiro, ela expulsa as trevas e reúne as nações do Ocidente, do Norte, do mar e do Oriente numa só Igreja, numa só fé, num só batismo, na caridade. Ela eleva-se no centro do mundo, plantada no calvário...

Armados com a Cruz, os Apóstolos vão pregar e reunir em sua adoração todo o Universo, dominando todo o poder hostil. Através dela os mártires confessaram a fé com audácia e não temeram as ciladas dos tiranos. Carregando-a, os monges com imensa alegria fizeram na solidão a sua morada. Esta Cruz aparecerá como cetro precioso, vivo, verdadeiro e santo do Grande Rei: "Então diz o Senhor, aparecerá no céu o sinal do Filho do homem". Nós a veremos, escoltada por anjos, iluminando a terra de um extremo do universo a outro, mais clara que o sol, anunciando o dia do Senhor.